Futuro da Educação? Seu Data Center pode impactar a aprendizagem digital

Tempo de leitura:

Qual é o papel da aprendizagem em nosso século? Será que as tradicionais abordagens da educação ainda serão relevantes na era da Indústria 4.0?

A transformação digital avança em todas as esferas da sociedade. E a interação entre indivíduos, máquinas inteligentes e algoritmos já impõe mudanças na forma como adquirimos conhecimento.

E assim influencia os modelos de ensino, impulsionando discussões acerca do Futuro da Educação na comunidade global.

Esse novo jeito de aprender amplia a
demanda por conectividade e capacidade computacional em grande escala -
e, consequentemente, por investimentos em infraestrutura e Tecnologia da Informação.

Nos próximos anos, a modernização de infraestruturas tecnológicas será um dos principais desafios para as quais os líderes de TI e Operações deverão se preparar.

Siga conosco na leitura desse artigo e entenda como a modernização dos Data Centers suportará esta evolução.

Repensando a forma como o profissional aprende 

A Andragogia - vertente da educação centrada no ensino de adultos -, defende que conteúdos aplicáveis ao dia-a-dia, baseados na experiência do aluno, tendem a alcançar resultados mais efetivos. Por isso, este modelo de aprendizado consciente, disseminado de maneira mais madura, tem sustentado grande parte dos cursos livres e de especialização profissional.

Esta linha também é amplamente difundida na educação corporativa, já que o desenvolvimento de novas habilidades na força de trabalho é cada vez mais urgente. 

Uma pesquisa do Gartner revelou que 73% dos executivos de Recursos Humanos consideram prioritário o desenvolvimento de competências críticas nas equipes.

Iniciativas de treinamento no local de trabalho (on-the-job training) foram apontadas como o principal método para desenvolver as habilidades digitais dos funcionários. No entanto, 47% das ações de capacitação corporativas correm o risco de serem automatizadas e eliminadas pela inteligência artificial, fortalecendo a tendência do ensino à distância.

No entanto, a depender de treinamentos custeados pela companhia é um comportamento danoso não só para a organização, mas principalmente para o profissional, que pode ser atropelado pelo bonde da transformação digital.

Para minimizar a dependência dos colaboradores é preciso não só auditar os resultados dos treinamentos e o desempenho dos profissionais, mas principalmente estimular a autogestão de carreira como princípio organizacional.

No Futuro do Trabalho, uma das diretrizes mais presentes é o Lifelong Learning - ou aprendizado contínuo -, que tem na educação digital e no ensino a distância (EAD) seus principais facilitadores. 

Ser proativo ao cuidar da própria carreira e apostar na renovação profissional são princípios básicos para manter-se fora das estatísticas de desemprego.

Por isso, esse modelo de negócio, que permite capacitação mais ágil, acessível e flexível,  desponta como um dos mais promissores no mercado da educação.

 

Receba a Newsletter Data Center Insights, da ODATA


O cenário da educação digital

A convergência digital impõe mudanças profundas sobre o atual cenário da educação do País, afetando a instituição em todas as suas dimensões: infraestrutura, projeto pedagógico, formação docente, mobilidade e avaliação.

Por isso, o Ensino a Distância (EAD) tem se destacado como tendência inquestionável no mercado educacional. Mais baratos e flexíveis, os cursos digitais atendem bem a um perfil específico de alunos proativos e disciplinados na busca pela capacitação - características altamente valorizadas pelas empresas.

O número de estudantes em todas as modalidades da educação a distância passou de 7.7 milhões (em 2017) para mais de 9.3 milhões. Só na modalidade de cursos regulamentados e totalmente a distância contabilizou mais de 2.3 milhões de matrículas. 

O recorte do Censo do Ensino Superior, divulgado em 2018 pelo Instituto Nacional de Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), aponta um crescimento de 375,2% entre 2007 e 2017 nas matrículas de graduação à distância. Na modalidade presencial o crescimento foi de apenas 33,8%. Hoje, dos oito milhões de alunos matriculados em faculdades, 21,2% já estudam via EAD.

A previsão é de que esses números dobrem até o fim de 2024, quando o ensino a distância chegará a 50% dos alunos em todo o País.

Tecnologia educacional: tendências para 2020

A adoção de recursos tecnológicos para o aprimoramento do ensino promove o desenvolvimento socioeducativo e melhora o acesso à informação. Jogos interativos, ferramentas de modelagem, podcasts e vídeos são alguns exemplos.

Frente aos diferentes tipos de aprendizado (visual, auditivo ou cinestésico), as novas tendências de transformação digital aplicadas à educação promoverão experiências de aprendizagem cada vez mais customizadas, facilitando a absorção do conteúdo.

Quer seja em escolas, universidades, na educação corporativa ou em cursos livres, a educação se encaminha para um modelo híbrido e centrado na experiência do aluno.

Análises avançadas, inteligência artificial e machine learning logo passarão a desempenhar um papel crucial na aceleração do aprendizado individual. 

Entre as principais tendências da tecnologia educacional para 2020 vale destacar:

  1. Inteligência Artificial
  2. Realidade Virtual
  3. Gamificação
  4. Aprendizagem Analítica
  5. Aprendizagem Imersiva
  6. Ambiente Inteligente de Aprendizagem (Smart Learning Environment - SLEs)
  7. Materiais de Curso Digital
  8. A Teoria dos Jogos
  9. Tecnologia Móvel e IoT
  10. STEAM

Modernização do Data Center e a transformação digital na educação

Para acompanhar o ritmo que a tecnologia avança na educação, é essencial que o parque tecnológico de empresas e instituições de ensino sigam na mesma direção. 

Os gastos globais com TI devem crescer 3,7% em 2020, principalmente devido aos investimentos em softwares corporativos. Mas como esse desdobramento se reflete no setor educacional?

Atividades como as avaliações online e o armazenamento de conteúdo, por exemplo, requerem a aquisição de tecnologia de ponta para garantir estabilidade às plataformas de ensino, acesso aos alunos e a operacionalização dos processos de gestão administrativa e escolar.

A infraestrutura de TI ainda suporta outras frentes estratégicas como os departamentos de Pesquisas das universidades. Suas atvidades demanda capacidade computacional elevada, rígidos níveis de segurança para armazenamento das informações acadêmicas e alta disponibilidade e conectividade dos sistemas.

Renovar os equipamentos constantemente, oferecer amplo acesso à Internet com alta conectividade e contar com a ajuda de profissionais especializados para a manutenção e operacionalização das redes exige investimento contínuo por parte dos gestores de TI e operações. 

Daí a importância de considerar a migração de seu Data Center para infraestrutura* de provedores de soluções mais modernas, como o Colocation.


*SAIBA MAIS:
Como deve ser uma infraestrutura de Data Center?

Como a capacidade computacional impacta a educação digital?

A gestão dos corpos docente e discente é uma das principais preocupações das instituições de ensino. Na modalidade de educação a distância o desafio é ainda maior, já que os alunos, professores e funcionários estão distribuídos em diferentes pólos.

Tal estrutura gera grandes volumes de dados relacionados a diferentes processos, que são acessados a cada segundo.

Desde o pagamento de salários a notas e históricos escolares: tudo fica centralizado em um sistema online, procedimentos que devem observar o cumprimento a regulamentações como a Lei Geral de Proteção de Dados

Neste contexto, garantir alta conectividade com segurança para a operação cotidiana é indispensável para uma boa experiência do usuário. As instituições precisam evitar exposição a qualquer tipo de risco que comprometa a estabilidade e a disponibilidade do sistema.

Por isso, é tão importante contar com um Data Center instalado em um ambiente controlado, com alta disponibilidade e rápida transmissão de informações. Deixar de investir em tecnologia de ponta pode, inclusive, ocasionar problemas como o downtime

E as consequências seriam desastrosas: a instituição fica vulnerável em processos como o armazenamento de conteúdo e dados, comprometendo a segurança da informação.

Não vale o risco.

 

Nova call to action

 

Vantagens de investir em infraestrutura de Data Center 

Como vimos, diante do desafio de oferecer as melhores condições e recursos para seus alunos, a instituições de ensino precisam tomar como prioridade o investimento em seu Data Center. 

Veja, a seguir, as vantagens de modernizar sua infraestrutura de TI
com o Data Center em Colocation

  1. Disponibilidade do conteúdo: com o aumento do número de cursos e alunos na educação a distância, a necessidade de um Data Center robusto, resiliente e de alta conectividade fica ainda mais evidente. Isso porque cresce a demanda de banda, capacidade, escalabilidade e disponibilidade dos sistemas;
  2. Foco no core business: quando a instituição de ensino opta por terceirizar a infraestrutura de TI, entrega as preocupações e os processos de tecnologia para o parceiro contratado. Ou seja, ganha mais tempo e energia para se dedicar e investir no core business da instituição, sem desviar a atenção da equipe interna para questões periféricas;
  3. Economia: manter um Data Center interno em infraestrutura local implica em altos custos com mão de obra, atualização de equipamentos, segurança e ambiente especializado. Ao contratar o serviço de Colocation, a instituição economiza recursos e conta com a certeza de ter um parceiro com expertise na área;
  4. Sistemas de avaliação: mesmo as instituições de ensino que mantêm o regime presencial já dispõem de atividades nas plataformas digitais - a que se chama de modelo híbrido. O uso de sistemas de avaliação online, por exemplo, é crescente. Portanto, é fundamental dispor de uma infraestrutura Data Center estável e rápida para garantir o acesso e o back-up desse tipo de documento.

Conclusão

A inserção de tecnologias de ponta em nossa rotina está causando a disrupção de modelos padrão em todas as esferas da sociedade. No mercado de trabalho, por exemplo, esse efeito já está sendo sentido por profissionais de todas as áreas.

Diversas funções serão substituídas por robôs, ao mesmo tempo em que novos cargos surgirão, demandando dos trabalhadores qualificação e o desenvolvimento de habilidades para lidar com a inovação.

Nesse cenário, a educação digital desempenha papel essencial.

Ao mesmo tempo em o modelo de negócio da educação à distância se destaca com números promissores, a demanda por constante modernização do parque tecnológico também desafia os executivos de TI e operações à frente de empresas e instituições de ensino.

A nova tecnologia educacional precisa de uma estrutura de Data Center robusta, alta conectividade e disponibilidade, capazes de garantir a elevada experiência do aluno. E para sustentá-las, os serviços de Colocation - como o oferecido pela ODATA - oferecem a melhor relação custo-benefício.

Parceria de infraestrutura de Data Centers na educação

Ciente das vantagens de contar com o suporte de um especialista em Data Centers, o próximo passo é selecionar* o provedor mais eficiente para atender às demandas da sua TI. Vale avaliar, por exemplo, a experiência da empresa no atendimento aos clientes da sua indústria.

*LEIA MAIS: 9 perguntas importantes ao escolher um fornecedor de Data Center

A ODATA reúne expertise no atendimento a relevantes instituições de ensino que se destacam no mercado de educação. Entre eles, um dos cases de sucesso é o de uma das maiores universidades públicas da América Latina, que mantém seu ambiente de TI no DC SP01.

Com alta conectividade e disponibilidade, excelência operacional e padrões rígidos de segurança, a ODATA  oferece uma das mais robustas estruturas de Data Center da região.

 

Quer experimentar os benefícios
de nossa infraestrutura de Data Center? 
CLIQUE AQUI E AGENDE UMA REUNIÃO

Comentários

Assine a newsletter